Franquia com delivery que nasceu com este DNA cresce na crise

Franquia com Delivery cresce na crise

O hábito de pedir delivery em restaurantes já era crescente entre os brasileiros, e com o fechamento do comércio e restrição ao funcionamento dos restaurantes e bares, devido à pandemia, fez com que o delivery se tornasse uma solução ainda mais procurada.

Com isso, os restaurantes que nasceram para ser delivery, saíram na frente!

Além de estarem localizados em pontos escolhidos estrategicamente, já possuem modelo de negócio e operações preparadas para atender essa grande demanda, com qualidade e agilidade, diferente de outros estabelecimentos que estão tentando se adaptar.

É o caso da franquia de hamburgueria, O Burguês.

Criada com o intuito de inovar no mercado de hamburgueria delivery no Rio de Janeiro, O Burguês Iniciou sua operação com uma loja em fevereiro de 2017.

Com produtos de alta qualidade aliados a um modelo de negócio de administração simples e de baixo risco fizeram a marca superar as expectativas do segmento e alcançar em 3 anos, um crescimento meteórico – com 30 franquias garantidas até o final de 2020.

Hoje, O Burguês se consolida como a maior hamburgueria delivery do Brasil com lojas também em Belo Horizonte, Brasília, Vitória e São Paulo.

Além disso, o Burguês é cliente Key Account no iFood, que significa muitas vantagens:

  • Taxas mais baixas que os concorrentes;
  • Destaque na visibilidade;
  • E parceria personalizada de promoções e propaganda.

Isso só foi possível pelo fato da franquia ter 95% do faturamento da empresa vinda do iFood.

Quer saber mais sobre essa franquia em expansão, clique aqui!

Receba nossos conteúdos

Cadastre-se e receba regularmente nossa newsletter com conteúdos relevantes sobre gestão e negócios.

Comentários

0 0 vote
Avaliação
Inscrever
Notificar
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Últimos conteúdos

Seleção de franqueados: e agora?

Você identifica que seu negócio é escalável? Tem atratividade? De fácil operação e possui lucratividade? Por que não franquear? Mas.. para quem vender?