como-abrir-uma-franquia-fora-do-pais

Como abrir uma franquia fora do país

Uma dúvida pertinente no ramo de franchising e que mais pessoas vêm se interessado: como abrir uma franquia fora do país?

Pode parecer um assunto complicado, mas para quem deseja empreender no exterior há métodos que contribuem para o sucesso do franqueado.

Os números nos ajudam a compreender: a Associação Brasileira de Franchising (ABF) aponta que há mais de 140 franquias brasileiras atuando no exterior, com o número crescendo ano após ano.

E, claro, o continente americano é o preferido: apesar da proximidade regional, nossos vizinhos como Paraguai, Bolívia e Argentina estão atrás dos Estados Unidos, maior mercado global do mundo.

Para você que quer saber como abrir uma franquia fora do país, a minha dica é que leia este artigo.

Veja o que já possui disponível, o que deverá ser feito e, claro, conhecendo exatamente como é franquear – e ser franqueado – no país que deseja empreender. Vamos lá?

 

Legislação, burocracia e mercado: analise isso

 

O primeiro passo de como abrir uma franquia fora do país é saber como iniciar o negócio, mantê-lo e como atuar.

Para isso, busque as seguintes informações:

  • Conheça a legislação e veja como é possível estrangeiros atuarem no país – alguns podem ser complicados, então é preciso analisar bem a situação antes de ter complicações legais com a justiça do país escolhido.
  • Questões burocráticas, como o tempo que leva para efetivar a franquia, os custos operacionais do processo e se a atividade é permitida – há países e regiões, como no próprio Estados Unidos, que proíbem ou restringem algumas atividades, principalmente envolvendo alimentos.
  • Lembre-se de sempre fazer a cotação para a abertura de franquia em moeda local, evitando o erro (comum) de não transformar reais em dólar, por exemplo.
  • Faça ou procure uma análise de mercado sobre a franquia que deseja abrir e qual será seu público dentro do país que escolheu. Lembre-se: até mesmo em estados brasileiros os costumes mudam, e nos outros países isso pode estar mais acentuado (falaremos abaixo disso).
  • Crie o plano de negócios. Como qualquer outra atuação empresarial, é preciso ver se há viabilidade de investir no exterior e qual é o tempo de retorno sobre o investimento.

Começando com esses detalhes técnicos que precisam ser o ponto de partida para você que quer saber como abrir uma franquia fora do país, passamos para outras dicas pontuais – e que farão toda diferença.

 

Especialistas e experiência fazem toda a diferença

 

Através do que já vi de brasileiros no exterior, percebo várias franquias que são sólidas e robustas.

Principalmente por um motivo: a relação de franchising traz para perto quem já percorreu esse caminho e entende do assunto.

Por isso, é importante ter contato com essas pessoas:

  1. Quem já abriu franquias fora do país – franqueadores e franqueados;
  2. Especialistas no ramo internacional, mesmo que ainda residam no Brasil;
  3. Advogados e assessores jurídicos, do país escolhido, que contribuam nos aspectos legais;
  4. Associação a entidades que regulem ou sejam grupos de franchising, como a próprio ABF é no Brasil.

Com esse ‘quarteto’, é possível ter estrutura suficiente para abrir uma franquia fora do país com segurança e autonomia.

Ao negligenciar a ajuda das pessoas, não apenas abrir seu negócio fica mais difícil – mas se adaptar a cultura, língua e costumes também será uma grande barreira.

 

Olhe para a comunidade que irá atingir

 

Outro ponto fundamental em como abrir uma franquia fora do país é entender que estamos atingindo uma outra comunidade, e não mais um público-alvo.

Você deve estar me perguntando: como assim?

Diferente do Brasil, onde ao abrirmos uma franquia já temos noções de comportamento, perfil, questões demográficas e de faixa etária, para citar os exemplos mais claros, não são aplicáveis de forma tão clara fora do nosso território.

Isto porque é preciso mudar a maneira de pensarmos a nossa cultura e imergirmos em como eles enxergam o que iremos levar até eles.

Por isso, precisamos analisar:

  • Se eles realmente necessitam do que sua franquia irá dispor;
  • Qual é o melhor ponto para estabelecer o negócio, impedindo que esteja em locais de difícil acesso da comunidade atingida;
  • Quais fatores sazonais fazem diferença para essa comunidade;
  • Como você irá atingir os consumidores e trazer a confiança do seu produto, principalmente por ser brasileiro – o que pode causar, inicialmente, um certo receio da comunidade.

Resumindo: ao abrir uma franquia fora do país é preciso saber que a realidade é outra, o aspecto financeiro é diferente, entre outras características.

 

Dúvidas Sobre Franquias? Pergunte a Malu

 

Suporte da própria franquia

 

O franqueador que atua fora do país também precisa ter uma política séria, transparente e que estipule todos os detalhes em contrato.

Garantindo segurança jurídica para o franqueado e, claro, para ele próprio.

“E por que você não citou o franqueador como um especialista do ‘quarteto’ no tópico acima?”

Simples: este aspecto do franchising é indissociável e insolúvel já no momento que você pensa em como abrir uma franquia fora do país.

Sem os dois lados – o detentor da marca franqueada e o empreendedor disposto a investir nela – não há franquia no exterior.

Por isso esta citação neste tópico é específica e de extrema importância: quem quer abrir o negócio nos nosso vizinhos latinos, na América do Norte, na Europa ou outro continente tem como base essa relação clara do franchising.

 

E vale a pena investir?

 

Outra pergunta que busco responder sempre com toda a sinceridade.

Se houver a possibilidade, abarcando todas as características que citei durante o artigo, vale muito a pena investir.

Alguns países têm menores taxas, maior possibilidade de expansão, o fator inédito (onde as pessoas ainda não conhecem o produto, principalmente se for brasileiro), os valores a serem investidos, as parcerias comerciais, entre outros.

Por outro lado, ao negligenciar a importância da relação franqueado-franqueador, não buscar especialistas no assunto, ter um estudo de mercado pouco contundente e não conhecer o país em que irá investir poderá trazer verdadeiros problemas.

Não à toa, mais franquias nacionais buscam atrair novos mercados – e, claro, novos franqueados.

Para quem busca expandir sua marca, assim como quem deseja investir num negócio já consolidado, o processo de como abrir uma franquia fora do país pode ser mais fácil, prazeroso – e, sem dúvidas, lucrativo para todas as partes.

Compartilhe o artigo